O teste de pneus pode ser um trabalho subjetivo!

Publicado a 17 de outubro de 2021 - 5 minuto(s) de leitura

Imagine um trabalho apenas baseado em sentimentos e sensações… Cédric Amplement tem uma missão extremamente rara: é um condutor de testes subjetivos na Michelin, um trabalho único e altamente versátil.

Ouça o nosso podcast:

mag3 bigstory portrait

mag3 bigstory portrait

Cédric Amplement, condutor de testes subjetivos na Michelin

Existem apenas dois condutores de testes subjetivos especializados em camiões na Michelin! Cédric afirma que o seu trabalho é uma espécie de Santo Graal para os condutores. Mas o que significa realmente ser um condutor de testes subjetivos? “Significa que confiamos nas nossas sensações e impressões em vez das ferramentas de medição quando testamos pneus novos”.

Cédric trabalha principalmente no Centro de Tecnologia da Michelin em Ladoux, perto de Clermont-Ferrand, em França. É neste local que se encontra a sede histórica da Michelin. A empresa tem um centro de testes de 500 hectares nesse local, com cerca de 50 km de pistas. No entanto, Cédric também viaja em trabalho, por exemplo, para o norte da Finlândia, para realizar testes no gelo e na neve, ou no centro da Michelin em Almería, em Espanha. Viaja ainda para as instalações dos fabricantes quando a empresa aluga os seus serviços.

Tornar-se um condutor de testes subjetivos

Como é que pode tornar-se um condutor de testes subjetivos? Após uma carreira como militar, Cédric integrou a Michelin em 2005. Ocupou várias funções técnicas e de testes, sempre especializado em camiões. “Há dois anos, como tinha todas as competências necessárias, ofereceram-me o cargo de condutor de testes subjetivos para substituir alguém que saiu. O nosso trabalho consiste em participar no desenvolvimento de novos produtos: todos os novos tipos de pneus têm de ser testados internamente.”

Para tal, existem condutores de testes objetivos e subjetivos. Os testadores objetivos realizam manobras específicas repetidamente com equipamento de medição a bordo. Este é um passo necessário para que todos os modelos de pneus possam ser aprovados quanto à conformidade regulamentar. “O nosso trabalho como condutores subjetivos consiste em nos colocarmos no lugar do utilizador. Verificamos aspetos como a aderência e o equilíbrio, por exemplo, ao conduzir em círculos numa pista molhada. Mas também registamos noções altamente subjetivas, como o conforto acústico.”

Nos respetivos relatórios, indicam o que sentiram, se repararam em algo invulgar, até mesmo sensações do ouvido interno. Estas observações são posteriormente utilizadas para trocar impressões com a equipa de engenharia com vista a melhorias ou modificações.

Uma função altamente versátil

Uma vez que os testes subjetivos são tão específicos, Cédric e o respetivo colega estabelecem os seus próprios protocolos de testes. Propõem manobras relevantes com uma lista de critérios a verificar e objetivos a cumprir. “Dedicamo-nos a melhorar os pneus existentes, mas também testamos protótipos, como os que estão a ser desenvolvidos para os veículos elétricos e a hidrogénio. Isto significa que temos sempre de utilizar muitos veículos diferentes.”

Este é um dos aspetos divertidos deste trabalho, afirma. Por exemplo, conseguiu conduzir protótipos militares que valem milhões, mas também gruas, 4x4, cisternas e camiões de todos os tipos. “Todos os veículos com mais de 3,5 toneladas são da nossa jurisdição. Somos uma espécie de canivete suíço dos condutores de testes. Temos de ser nós a gerir tudo: criar metodologias, realizar os testes, alugar ou comprar novos veículos tão frequentemente quanto possível, etc…"

Acompanhar a evolução dos pneus

Testar pneus pode parecer um trabalho repetitivo. Na realidade, é um trabalho que está em constante mudança porque os pneus estão a evoluir rapidamente, especialmente com a ascensão da propulsão de energias alternativas. Para os veículos elétricos e a hidrogénio, uma resistência ao rolamento reduzida significa uma maior duração da bateria. O desempenho dos pneus é mais importante do que nunca! Outro fator é que as baterias são muito pesadas, o que muda o panorama no que toca ao desgaste e à pressão dos pneus.

Em suma, Cédric explica que o trabalho de um condutor de testes é muito diferente do trabalho de um piloto de corridas. “Não competimos uns com os outros, partilhamos conhecimentos. Por vezes, comparam-nos a enólogos porque somos especialistas nas especificidades dos pneus"!

FONTES

* Entrevista a Cédric Amplement, a 8 de junho de 2021

Podcasts

Junte-se à comunidade !

Ao fornecer o meu endereço de e-mail e clicar no botão abaixo, eu concordo com os Termos de utilização e com a Política de Privacidade, forneço a minha assinatura eletrónica e consinto em receber e-mails de marketing automatizados, independentemente de qualquer registo anterior na lista de exclusão de qualquer empresa, estatal ou nacional da Michelin North America, Inc. O consentimento não é uma condição para qualquer compra. Pode optar ativamente por não participar a qualquer momento. Um representante Michelin pode contactá-lo se demonstrar interesse em ser contactado relativamente a uma oferta de serviço ou produto. O Representante pode ser o seu Representante de Vendas da Michelin ou um Distribuidor Autorizado da Michelin na sua área. A Michelin respeita a sua privacidade. As informações que nos enviou estão protegidas pela nossa política de privacidade.

_ *
É um…
  • Utilizador final
  • Revendedor de pneus
  • Outro
0

Está a utilizar um Browser não suportado por esta web

Está a utilizar um browser que não é suportado por este website. Isto significa que algumas funcionalidades podem não funcionar como pretendido e podem ocorrer comportamentos estranhos ao navegar neste site.

Utilize ou atualize/instale um dos seguintes browsers para tirar o máximo partido deste website.

Firefox 78+
Edge 18+
Chrome 72+
Safari 12+
Opera 71+