gettyimages 1299228082

Hydrogen logistics concept. Truck with gas tank trailer on the road lined with solar power plants. 3d rendering

Veículos pesados: que energias alternativas escolher?

Publicado a 29 de setembro de 2022 - 13 minuto(s) de leitura

Em 2019, a União Europeia comprometeu-se a reduzir em 55% as suas emissões de gás com efeito de estufa até 2030… e a tornar-se o primeiro continente a alcançar a neutralidade carbónica até 2050! Consequência direta: é o momento de transformação para os transportadores que acompanham a mudança para uma mobilidade mais sustentável.

Para falar desta importante evolução, reunimo-nos com Gaëtan Jollivet, diretor da empresa familiar de transporte Jolival, e com Michaël Fedaouche, responsável pela Wave transport, jovem empresa parisiense especializada na fase final da entrega ecológica.

Ouça o podcast:

wave5 best energy img1

Gaëtan Jollivet – Jolival/Michaël Fedaouche – Wave Transport

A pequena comunidade de Pommeraye, no oeste da França, acolhe a sede social do transportador Jolival. Nos telhados dos edifícios, fileiras de painéis solares observam o céu. A poucos metros da receção, um par de ovelhas balem: estas substituem vantajosamente as máquinas de cortar relva, garantindo a pastagem ecológica dos espaços verdes da empresa.

Gaëtan Jollivet, 41 anos, dirige desde há 11 anos a sociedade de transporte e logística fundada pelo seu avô. Recebe-nos divertido: Já viu… e percebeu que na Jolival não fazemos as coisas pela metade. Quando nos comprometemos em matéria de ambiente, vamos até ao fim. A transição energética, não são apenas palavras para nós!

Quando opto por uma energia, quero conhecer a sua proveniência, comparar as suas incidências e não posso avaliar se não experimentar. Antes de escolher, é preciso considerar o custo da energia, do veículo e do valor ecológico".

Gaëtan Jollivet, Diretor-Geral da Jolival

Inicialmente especializada no transporte de remessas, a Jolival transformou-se num transportador com várias atividades. A empresa evolui hoje nos setores da construção, da indústria, dos têxteis, da agricultura e até da avicultura. A sociedade emprega 195 pessoas, entre as quais 155 motoristas. Mais de metade dos 120 veículos do transportador está equipada com uma plataforma elevatória e, quem diz plataforma, diz entrega em loja, nomeadamente no centro da cidade.

Tal como nas nossas atividades, variámos a nossa frota”, afirma Gaëtan. “É composta por 60% de DAF, 20% de Mercedes e o restante são Scania, MAN e Renault Trucks. A Scania está cada vez mais presente, uma vez que optámos pelo biogás há quatro anos. No final do ano de 2022 teremos 14 camiões a biogás. Isto representará mais de 10% da nossa frota. E acabámos de comprar quatro Renault Trucks B100, para longa distância. “

Como se pode ver, o responsável pela frota decidiu investir no biogás em matéria de energias alternativas. Trata-se de uma escolha prudentemente ponderada. Gaëtan informou-se sobre todas as opções atualmente disponíveis.

Quando opto por uma energia, quero conhecer a sua proveniência, comparar as suas incidências e não posso avaliar se não experimentar. Antes de escolher, é preciso considerar o custo da energia, do veículo e do valor ecológico".

Gaëtan utiliza um esquema comparativo das emissões de CO2 das diferentes ofertas energéticas em matéria de camiões, editado pela agência francesa do ambiente e do controlo energético – Ademe.

Afastei o biocombustível xTL nesta fase, porque é 25% mais caro. Mas, atualmente, toda a minha frota é compatível. Para já, não aposto completamente no B100, porque primeiro quero testá-lo. Estou um tanto dividido relativamente à cultura da colza. Quantas toneladas de oleaginosas serão necessárias para alimentar a frota? Qual será a proveniência das plantas? Atualmente, os meus B100 são alimentados a gasóleo. Isto não me compromete a nada. Se amanhã quiser, deixo de o fazer!

Em contrapartida, não adiro ao GNL (gás natural liquefeito). Nunca percebi o porquê de adotar esta energia. No esquema de comparação das energias da Ademe, vemos que o GNL é pior que o gasóleo! Vem do outro lado do mundo de barco. E para o distribuir é uma calamidade. O motorista veste-se de astronauta para atestar. O GNC (gás natural comprimido) compreende-se um pouco melhor. Mas não tenho essa opção, porque não há estações de biogás suficientes. “

E o elétrico, o que pensa o nosso diretor? Aquilo que me chateia no elétrico, é que não provém de uma energia renovável. E o que fazemos com as baterias no fim da vida útil? A eletricidade não será, claramente, a energia mais limpa e menos cara do amanhã. “

“Atualmente, seguimos o caminho do elétrico, mas talvez dentro de 3 ou 4 anos, haja outra viragem para a adoção de outra energia. “

Michaël Fedaouche, Diretor-Geral da Wave Transport

Em Nanterre, Michaël Fedaouche, 37 anos, dirige a jovem empresa Wave Transport: foi criada em abril de 2020, em pleno confinamento, para responder às necessidades imediatas da entrega ao domicílio. O empreendedor optou pelo elétrico na frota de utilitários de 6 m3.

Não podemos falar exatamente de viragem para uma nova energia, mas sim de uma antecipação ao mercado para evitar a obsolescência. Iniciámos a nossa atividade de forma muito básica, com dois empreendedores autónomos motoristas-distribuidores que tinham os seus próprios veículos térmicos. Em seguida, adquirimos alguns utilitários com motor térmico. Não tínhamos meios para adquirir os nossos próprios veículos elétricos. Constatámos que a maioria dos concursos públicos começava a virar-se para o ecológico. Informámo-nos sobre as diferentes energias alternativas. Hesitámos entre o hidrogénio, o gás e o elétrico. No seguimento das nossas pesquisas, e após alguns orçamentos, dirigimo-nos para o elétrico. Atualmente, é o caminho que seguimos, mas talvez dentro de 3 ou 4 anos haja outra viragem para a adoção de outra energia.

Foi por este motivo que optámos pela locação de longa duração (LLD) da nossa frota, como a oferta da Watèa by Michelin, para garantirmos que estamos sempre atualizados. “

Para Gaëtan: O futuro terá várias energias. Diferentes energias irão coabitar no futuro. Cada atividade será associada a uma categoria de camiões que corresponderá a uma energia. Por exemplo, os regionais utilizarão biogás… os urbanos, elétrico… Mas penso que é estúpido fechar-se no elétrico. É necessário travar a venda de veículos elétricos, porque não temos solução em termos de produção. Se todos mudarem para o elétrico, particulares e profissionais, como é que vamos fazer?

Optei por ser acionista de uma estação de biogás para garantir esta energia, porque 10% da minha frota utiliza-a. Vou usufruir de um preço negociado para 5 anos. Não terei de enfrentar a volatilidade no preço do combustível. Para um transportador, é uma bênção!

Gaëtan Jollivet, Diretor-Geral da Jolival

Michaël reconhece que, na sua atividade, a rigidez da regulamentação urbana e as exigências de mobilidade sustentável dos clientes não permite considerar muitas outras opções.

Os concursos públicos para a última fase da entrega pedem cada vez mais veículos elétricos. Todos os grandes intervenientes no mercado, no nosso setor de atividade, estão a mudar as suas frotas. Progressivamente, cada vez mais clientes nos pedem veículos ecológicos.

Temos duas dezenas de camiões elétricos, 14 dos quais da Watèa. Comprámos diretamente seis e-jumpy Citroën. Mas devido à escassez de placas eletrónicas, as entregas destes veículos são extremamente demoradas. Encomendámos os utilitários em junho de 2021… e anunciaram-nos uma entrega em outubro de 2022… se tudo correr bem!

Gaëtan recorda o custo do elétrico para os veículos pesados e ironiza: Atualmente, um camião elétrico custa 500 000 €. A ajuda do Estado francês é de 50 000 €. Excelente, ganhámos 50 km de autonomia em um ano! Atingimos os 250 km. Metade da autonomia do biogás… Talvez dentro de alguns anos consigamos chegar aos 500 km. Mas ficamos ainda com o problema dos carregadores e da rapidez. Serão necessários contadores com 600 000 volts. O que exige um enorme investimento para equipar todo o nosso parque com supercarregadores!

Michäel valida os seus comentários. O elétrico permanece dispendioso. Para nós, o investimento atinge um total de 70 000 € para equipar as nossas garagens com carregadores. Relativamente a este montante, conseguimos uma ajuda de 30 000 € do Ministério da Ecologia. Se tenho um conselho a dar, é que é necessário aproveitar rapidamente, porque as ajudas poderão diminuir. “

O responsável pela Jolival avança uma outra importante questão em matéria de novas energias: a rede de distribuição. Hoje em dia, as estações de biogás desenvolvem-se lenta mas seguramente. No ano passado, foi criada uma centena de estações no território francês. Podemos abastecer um pouco por todo o lado. No entanto, quase não temos estações para os B100 e as que existem encontram-se nas instalações do transportador. No que respeita ao xTL(1), também não existe uma rede pública. No elétrico, há carregadores para veículos ligeiros, mas não existe equipamento para os veículos pesados. Pelo menos que eu conheça".

Para alimentar os camiões a biogás, Gaëtan não hesitou em investir na construção de uma unidade de biogás e de uma estação pública de biogás, que serão construídos na sua localidade. Optei por ser acionista para garantir esta energia, porque 10% da minha frota utiliza-a. Poderei ter uma estação ao lado da minha sede, mas também um preço negociado a cinco anos. Não terei de enfrentar a volatilidade no preço do combustível. Para um transportador, é uma bênção! Além disso, teremos a garantia de uma produção local. Teremos atenção aos resíduos utilizados. “

Para os utilitários elétricos, Michaël revela: é necessário um carregamento a cada dois dias em Paris e arredores, com uma média de 100 km/dia. Na província, chegamos aos 150 ou 200 km por dia. Isto corresponde a uma recarga diária. “

“Para já, vou continuar a investir no biogás. Haverá sempre excremento de vaca e resíduos alimentares, ao contrário do petróleo.

Gaëtan Jollivet, Diretor-Geral da Jolival

  • Gaëtan insiste: “Para já, vou continuar a investir no biogás. Haverá sempre excremento de vaca e resíduos alimentares, ao contrário do petróleo.

    Breve explicação para os iniciantes: O biogás é produzido naturalmente através da fermentação de diversos materiais orgânicos, animais ou vegetais.

    “Se conseguirmos criar um combustível com o chorume(2) para a parte da levedura e tudo aquilo que são resíduos alimentares para as matérias gordas combustíveis, obtemos uma energia verdadeiramente vencedora e que pode ser repetida em qualquer lugar! Aquilo que dávamos antes às galinhas, colocamos na unidade de biogás.

    É ótimo, conseguimos atestar em 15 minutos numa estação equipada com bons compressores. E não tem odor.

    Hoje tenho uma certa perspetiva, porque o meu camião mais antigo tem quatro anos. Em termos de custos de exploração, quando ultrapassamos os 100 000 quilómetros por ano, ganhamos dinheiro em comparação com o gasóleo. No biogás, atesto todos os dias por 1 €. Não há mais barato. De momento, o único problema, é em termos de autonomia. Estamos nos 500 km aproximadamente, mas sobretudo nos camiões que são grandes distribuidores regionais.

    Toda a minha distribuição para o cliente que faz a gestão de supermercados é já a biogás. E conjuntamente com uma empresa têxtil que investiu na estação de biogás, temos o objetivo de garantir as entregas em 52 lojas orientais, com o biogás, a partir de março de 2023.

    No entanto, Gaëtan reconhece: “estou bem ciente de que esta energia alternativa não responderá a todas as necessidades. Não haverá unidades de biogás suficientes.

“Estamos cientes da pegada ecológica associada à nossa atividade e é por isso que nos comprometemos a utilizar meios de transporte ecológicos. Somos todos habitantes do planeta Terra e se pudermos evitar esgotar os recursos, será excelente!

Michaël Fedaouche, Diretor-Geral da Wave Transport

Antes de terminarmos, uma última pergunta aos nossos dois responsáveis de frotas: o que pensam os motoristas, principais intervenientes no quotidiano, destas mudanças nos veículos?

“Certamente, demos formação aos nossos motoristas", responde Michaël. “Não se conduz um veículo utilitário elétrico da mesma forma que um veículo térmico. É necessário economizar a bateria. Mas, graças aos dados e a uma aplicação fornecida pela Watèa, os motoristas podem gerir a autonomia dos seus veículos utilitários. “

“Os motoristas gostam de conduzir estes novos camiões", completa Gaëtan. “Têm um grande interesse neles porque são sensíveis à dimensão ecológica. “

Michaël, filósofo, conclui: “Estamos cientes da pegada ecológica associada à nossa atividade e é por isso que nos comprometemos a utilizar meios de transporte ecológicos. Somos todos habitantes do planeta Terra e se pudermos evitar esgotar os recursos, será excelente!

vans switching alternative fuels small square


Fontes:

Entrevista a Gaëtan Jollivet realizada em 29 de abril de 2022.
Entrevista a Michaël Fedaouche realizada em 23 de maio de 2022.

(1) gasóleo parafínico de síntese
(2) produto líquido dos dejetos de animais de criação

Junte-se à comunidade !

Ao fornecer o meu endereço de e-mail e clicar no botão abaixo, eu concordo com os Termos de utilização e com a Política de Privacidade, forneço a minha assinatura eletrónica e consinto em receber e-mails de marketing automatizados, independentemente de qualquer registo anterior na lista de exclusão de qualquer empresa, estatal ou nacional da Michelin North America, Inc. O consentimento não é uma condição para qualquer compra. Pode optar ativamente por não participar a qualquer momento. Um representante Michelin pode contactá-lo se demonstrar interesse em ser contactado relativamente a uma oferta de serviço ou produto. O Representante pode ser o seu Representante de Vendas da Michelin ou um Distribuidor Autorizado da Michelin na sua área. A Michelin respeita a sua privacidade. As informações que nos enviou estão protegidas pela nossa política de privacidade.

_ *
É um…
  • Utilizador final
  • Revendedor de pneus
  • Outro
Tamanho da frota *
  • 20 ou menos
  • More than 20
  • Não faço a gestão de camiões

Está a utilizar um Browser não suportado por esta web

Está a utilizar um browser que não é suportado por este website. Isto significa que algumas funcionalidades podem não funcionar como pretendido e podem ocorrer comportamentos estranhos ao navegar neste site.

Utilize ou atualize/instale um dos seguintes browsers para tirar o máximo partido deste website.

Firefox 78+
Edge 18+
Chrome 72+
Safari 12+
Opera 71+